TRANSIÇÃO. QUANDO CHEGAR A HORA DE DIZER “ADEUS”…

É impossível falar de espiritualidade e despertar de consciência sem falar da nossa relação com os animais. Enganam-se aqueles que acreditam que os humanos possuem uma Consciência superior à dos animais. Podemos ser mais elaborados, mais complexos, sem dúvida. E infinitamente mais estúpidos.

Com nossa mania ou crença de que podemos controlar o mundo, subjugamos outras almas à nossa maneira de pensar e viver, sem permitir, muitas vezes, que esses seres maravilhosos possam abraçar a totalidade de sua existência, simplesmente por capricho ou ignorância. Ou porque nós mesmos não compreendemos ainda que ESTAMOS humanos, momentaneamente. Mas somos uma alma, na busca por experiências na matéria.

Mas está tudo bem, porque os “nossos” animais são almas muito mais conscientes de seu papel, de sua função ou missão nesta breve vida em quatro patas, ou asas, ou guelras, etc. Coitados de nós, pobres seres humanos, que não temos a menor ideia do que somos e o que estamos fazendo aqui.

Então, vamos aproveitar o tempo que temos com eles – infelizmente breve – e observá-los sem julgamento, compreender que são a nossa força quando somos fracos, pois absorvem por amor as nossas energias desarmônicas.

Eles são sábios enquanto somos estúpidos, pois vivemos no passado ou no futuro. Para eles só o que vale é o momento presente.

São infinitamente mais conscientes, pois não se apegam ao corpo físico. Eles SÃO, simplesmente, a experiência da alma em sua totalidade numa forma física “X”, apenas por um período. E na hora de partir, deixam o corpo físico sem ressentimentos, sem culpas, sem medo.

Definitivamente temos ao nosso lado os maiores mestres que poderíamos ter. E como disse o mestre Jambo, durante uma comunicação com a querida Rita muito tempo depois de seu desencarne: “ah, chega de sofrimento! Vocês sofrem porque não conhecem seu próprio poder criador e se apegam ao corpo físico. Já não tenho a forma que você conheceu. Vamos adiante, tenho muito o que fazer. E vocês também!”

Compartilhamos com vocês o texto da querida Eva Pets – ou Rita Nunes, como preferirem – que desenvolve um trabalho de Comunicação Telepática Animal maravilhoso e tem compartilhado seu conhecimento e compaixão com quem desejar e estiver pronto para quebrar preconceitos e dogmas humanos.

Preparem os corações – e os lencinhos…

Os Cinco Princípios no momento da transição do seu companheiro patudo.

Meditação :’Ser gratidão com o seu cão’

‘Porque a Morte é mais um dos processos naturais da Vida e mais uma oportunidade de cura’. Eva Pets

Há alguns anos atrás, quando estava a formular o manual para o curso de reiki com animais – nível avançado, descobri alguns textos da Kathleen Prasad e percebi que grande parte do que queria partilhar já estava escrito de uma forma maravilhosa por esta mestra de Reiki.

Utilizei parte dos seus textos para complementar a informação e partilha da minha experiência nos cursos. Agora, é o momento, após variadas conversas com a Kathleen, de traduzir na íntegra vários dos seus textos e poder partilhar para que todos, inclusive aqueles que não lêem em Inglês, possam abrir o coração ao Reiki Animal. Hoje partilho um desses textos: “Reiki e transição canina”.

Apesar de no texto original ser referido o cão, podemos sempre generalizar para todos os nossos companheiros patudos, rastejantes e barbatanudos.
Grata.
Eva Pets.
http://evapets.wixsite.com/evapets
___________________________

Reiki e transição canina

Apoiando a transição final do seu cão por Kathleen Prasad

“Há um ciclo de amor e morte que molda a vida de quem escolhe viajar na companhia de animais. É um ciclo diferente de qualquer outro. Para aqueles que nunca viveram as suas reviravoltas nem caminharam esse caminho rochoso, é-lhes incompreensível a nossa disposição para dar-mos o nosso coração com total conhecimento que ele vai ser partido.
Só nós sabemos o quão pequeno é o preço a pagar para o que recebemos; o nosso luto, independentemente da sua intensidade é uma medida insuficiente à alegria que nos foi concedida.” Suzanne Clothier

Patty estava a arfar, claramente ansiosa e desconfortável.

A pastora alemã cruzada, que tinha sido resgatada pelo santuário Brighthaven vários meses antes, estava a aproximar-se da morte. Brighthaven apoia vários animais nos seus dias finais nesta vida, e eu sabia que a Patty era um cadela sortuda por ter encontrado o seu caminho aqui. Eu sentei-me perto dela, a oferecer Reiki, ela olhou para cima para mim. Eu tive a forte sensação que deveria massajar a sua testa enquanto oferecia Reiki. Assim que me sentei com ela, dando-lhe festas ela esticou a cabeça na minha direcção e a sua respiração tornou-se menos esforçada. Passados poucos minutos ela parou totalmente de arfar, suspirou e finalmente pude ver que ela conseguia relaxar completamente, eu pude sentir uma sensação forte de gratidão cercando-nos e envolvendo-nos. Eu conseguia perceber que ela compreendeu e apreciou todo o amor e cuidado de todos que no Brighthaven a amaram tanto.

Pouco depois deste tratamento de Reiki, a Patty faleceu pacificamente, rodeada de perto pela sua família e amigos de Brighthaven, humanos e animais. Ela tinha chegado ao fim desta parte da sua viagem, mas eu sabia que era meramente o princípio de outra viagem, simplesmente uma que não conseguimos ver tão facilmente…

O Reiki é um apoio maravilhoso para cães enquanto eles passam pelo processo de transição e morte. De origem Japonesa, o Reiki é um sistema para cura e desenvolvimento espiritual que utiliza uma série de princípios para a vida das pessoas, bem como meditações de cura e técnicas de foco para apoiar um reequilíbrio energético e re-harmonização do corpo, mente e espírito. À medida que os cães se aproximam da morte, a sua essência aproxima-se mais do seu reino espiritual. O Reiki pode nos ajudar a continuar a conectar e a apoiar os nossos cães à medida que eles se preparam para se libertarem do seu corpo físico.

Conectar com os nossos cães através do tratamento de Reiki é uma forma de conectar mais profundamente, do nosso coração para o coração do nosso animal, tornando mais consciente o amor e compaixão que existe entre nós, e a nossa conexão mais profunda para além da nossa relação física. Quando podemos estar presentes para o nosso cão desta forma durante o processo da transição e da morte, somos capazes de apoiar a sua viagem de uma forma muito profunda, tomando consciência de todos as dádivas que eles nos deram durante o nosso tempo juntos, e de que eles estarão sempre connosco nos nossos corações. Enquanto percorremos este difícil caminho com eles, seremos profundamente transformados pelo mesmo.

Adicionalmente às meditações de cura (ver “Ser gratidão com o seu cão”) há também os princípios de Reiki, que podem fornecer apoio aos cuidadores dos cães. O fundador do Reiki, Mikao Usui, criou os cinco princípios como orientadores para viver uma vida mais equilibrada. Quando apoiamos os nossos amados cães na sua transição, todos os tipos de emoções podem-nos surgir, e os cinco princípios podem-nos ajudar ou nos trazer de volta a estabilidade e equilíbrio que, por sua vez, é o estado emocional que mais nos ajuda a apoiar os nossos cães.

1. Só por hoje, não sinto raiva.

Podemos sentir raiva por não termos conseguido “curar” os nossos cães, ou de não termos conseguido travar a progressão da doença; ou revoltarmo-nos com nós próprios por não termos notado mais cedo, agido de forma diferente ou conseguido de alguma forma “parar” a progressão das coisas até este ponto.
Precisamos aprender a rendermo-nos ao que é, em vez de ao que desejaria-mos que tivesse sido. (É sempre fácil olhar para trás e duvidar de nós próprios, mas dispender energia emocional na raiva vai só retirar energia que necessitamos para apoiar o nosso cão a partir de um espaço pacífico.)

2. Só por hoje, não me preocupo.

Podemos nos preocupar sobre como será a transição, se o nosso cão vai ter dor, e o que cada dia trará ao nosso querido cão – não saber o futuro e o medo do desconhecido, pode ser muito intimidante.
Enfrentar esta incerteza e rendermo-nos a ela vai-nos ajudar a permanecer presentes e corajosos, à medida que navegamos no desconhecido, juntamente com o nosso cão.

3. Ser humilde

Nós podemos desejar ter-mos “controlado” a viagem, tornando-a suave e fácil para todos os envolvidos.
Nós precisamos aprender a aceitar o processo da morte, seja qual for a sua forma, em toda a sua complexidade e mistério. Morrer é uma experiência espiritual muito para além da nossa compreensão, uma parte do ciclo da vida que todos nós iremos experienciar a qualquer momento.
Sermos capazes de estar lá para os nossos cães, como simples e humildes testemunhas do processo, vai trazer-lhes bastante conforto.

4. Ser honesto no meu trabalho

As nossas relações com os nossos cães sempre vêm do lugar mais profundo e honesto do nosso interior. Eles não aceitarão nada mais nada menos do que isso da nossa parte. Por sua vez, o nosso “trabalho” nesta fase específica da vida dos nossos cães é estar aberto e honestamente presente ao seu lado, seja qual for o aspecto desta viagem – por toda a alegria e tristeza na plenitude das nossas memórias, pelo nosso amor e relação. Precisamos permitir aos nossos cães fazerem esta viagem à sua maneira e precisamos esforçarmo-nos para aceitar-mos tudo o que isto implica o melhor que conseguirmos.

5. Ter compaixão por si próprio e pelos outros

Quando temos de encarar a morte do nosso querido cão, é fácil ser-mos duros com nós próprios, querer-mos ter conseguido consertar as coisas. Regularmente poderemos nos questionar “O que mais poderia ter feito?”, “O que poderia eu ter feito de forma diferente?”. Os nossos cães amam-nos e aceitam-nos sejam quais forem as decisões que tomemos, sabendo que nós os amamos e que fizemos o nosso melhor por eles.
Da mesma forma que nos amaram incondicionalmente durante as suas vidas, também nos amam enquanto os apoiamos através da sua transição. Precisamos aprender a libertar-nos dos arrependimentos e culpa assim que eles falecem.

Porque os cães são tão sensíveis às nossas disposições e sentimentos eles irão sentir a nossa ansiedade e dor na aproximação da transição. Isto pode causar-lhes preocupação e inquietação. Usando meditações de cura e os princípios de Reiki podemos nos ajudar a permanecer num estado emocional mais equilibrado que por sua vez ajuda os nossos animais a relaxar para que se possam focar na sua própria viagem interior de transição. Tornarmo-nos num parceiro e ajudante do nosso cão na sua transição, será uma das mais duras coisas que faremos nesta vida, mas como poderíamos nós fazer menos que isso? O nosso amor e gratidão por toda a alegria que eles manifestaram na nossa vida ir-nos-á sempre acompanhar.

Cura através da escrita: o exercício dos cinco princípios

Foque-se num princípio de cada vez. Escreva o princípio no topo da sua folha. Depois simplesmente escreva o que lhe vem à cabeça. Não se preocupe com a forma ou quantidade, simplesmente escreva o que surge facilmente: pensamentos, sentimentos, memórias, etc. Permita-se 10 a 20 minutos de tempo ininterrupto para escrever. escrever é uma forma óptima de cura e liberta questões que possam surgir durante este tempo com o seu cão.

Meditação de cura: “Ser gratidão com o seu cão”

Sente-se numa posição confortável, coluna direita, com os braços e ombros relaxados. Relaxe todo o seu corpo à medida que respira profundamente algumas vezes.

Imagine que há raízes a crescer da base da sua coluna para baixo, de forma profunda e ampla para dentro da Terra.
Imagine que a energia poderosa e enraizadora da Terra pode fluir, subindo por estas raízes, em direção ao centro do seu coração, dando-lhe estabilidade e paz.

Faça 10 respirações, e em cada inspiração, sinta a energia da Terra a subir para o seu coração. Em cada expiração liberte quaisquer emoções, medos ou preocupações que possa sentir dentro de si. Com cada respiração sucessiva sinta mais e mais quietude e estabilidade dentro de si.

Quando tiver completado as 10 respirações, permita-se manter-se por vários minutos no espaço de energia e estabilidade da Terra que criou com a sua respiração.

Assim que se sentir completamente calmo e conectado com a Terra, traga o seu coração à sua mente. Permita-se pensar sobre as experiências que teve com o seu cão com as quais você é grato. Foque a atenção nas partes únicas daquele ser pelas quais você é grato. Imagine que o seu coração consegue expandir para fora do seu corpo, criando um maravilhoso estado de gratidão à sua volta. Simplesmente convide o seu cão para este espaço.

Imagine que dentro deste espaço do coração, tudo é perfeito e equilibrado. Sinta a gratidão a envolvê-los a ambos, a si e ao seu cão. Liberte-se das suas expectativas (juntamente com quaisquer preocupações sobre o que necessita ser curado) e continue a respirar a calma e força da energia da Terra para o seu coração enquanto partilha este espaço de gratidão com o seu cão por vários minutos até uma hora.

Authorized and reviewed translation 2016 (free translation 2014) Rita Nunes – Eva Pets

Tradução autorizada e revista em 2016 ( tradução livre feita em 2014) Rita Nunes – Eva Pets

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s